LÍRICOS OLHARES

LÍRICOS OLHARES

PENSAMENTO DO DIA

"À força de tanto ler e imaginar, fui me distanciando da realidade ao ponto de já não poder distinguir em que dimensão vivo" (Dom Quixote)

Seguidores

REFLEXÃO

“Seja qual for o país, capitalista ou socialista, o homem foi em todo o lado arrasado pela tecnologia, alienado do seu próprio trabalho, feito prisioneiro, forçado a um estado de estupidez.” (Simone de Beauvoir)





9 de julho de 2009

ENTRE ASPAS


Queria chorar...
Deveria chorar todas as lágrimas,
todavia, não há no peito água suficiente
para me limpar a alma...
Há uma inquietante calma
atravessando-me o peito e a mente.
Na mudez de quem se desespera
não há continuidade,
tampouco, há a espera...
Revolvo as rimas, arrumo as letras,
removo as marcas, tudo, tudo,
entre dentes e parêntesis.
Eu, dolorosamente, lavo a cara.
Contudo as cicatrizes, permanentes...
A vida faz-se verso...
Em adormecidos amplexos,
em beijos repousados, em desejos reservados,
em reprimidos gritos, em conceitos repensados.
Mas, amor é amor... Sublime, crucificado...
Nos tempos primitivos, na mais moderna era,
No futuro ilegítimo.
Amor, silêncio e suplício...
Impulsos entre farpas, faíscas e muitas lascas.
Amor indomado, selvagem, irrefreado...
Amor para sempre!...
E sempre entre aspas.