LÍRICOS OLHARES

LÍRICOS OLHARES

PENSAMENTO DO DIA

"O que verdadeiramente somos é aquilo que o impossível cria em nós." (Clarice Lispector)

Seguidores

REFLEXÃO

"Por mais que se mantêm em consideração as circunstâncias do tempo, do lugar, do gênio do povo, dos seus conhecimentos, de suas inclinações, falham os cálculos, desmoronam-se os edifícios, inutilizam-se os trabalhos e só se colhe o conhecimento de que não se acertou e que o coração do homem é um abismo insondável, e um mistério que se não pode entender". (Frei Caneca)




25 de novembro de 2016

FLOR DO SOL (Cacau Loureiro)


Se só me enxergas através dos outros nunca
seremos nós...
O teu universo fascinante abarcou muitas
dimensões, e já não temos mais como nos
olharmos em face do microcosmo que sustenta
tantas esferas.
Lembranças... as músicas, as frases, os poemas,
nos exercícios diários de manter o sentimento...
São reminiscências...
Ainda cultivo o achado da paixão, ainda vivo
a descoberta do amor... Pois que suas nascentes
realmente vivem em mim! ...
Constato que podemos desejar tudo de melhor
aos outros, mas, se não o desejamos a nós mesmos
a vida torna-se vazia... tornamo-nos evasivos.
E desatentos à vida morremos vagarosamente,
e destemidos ante a morte, de fato não vivemos.
Se não tememos as perdas nos transformamos
em robôs resignados aos comandos do mundo.
Eu preciso da envergadura dos girassóis em que
o único lugar a que se dirigem forçosamente
é para o sol! ... 

30 de junho de 2016

BASTA!? (Cacau Loureiro)


 
Nem sempre o que aspiramos na vida

quando aparece a nossa frente, e não é

a melhor hora para decidir, nós nos

defrontamos... Por que nós não topamos

a parada?!

Pois que decidir o tanto, o quanto, o tudo que

queremos (na hora que diria, seria a errada)

é "feito" para as têmperas corajosas.

Nossos conceitos tão arraigados, esfacelam-se

ante as incertezas, e nós melindrados pelas

dúvidas recuamos, queremos a dilação do

tempo que não espera; e o bonito, a poesia que

deveria ser consonância para a transformação

do nós, vira dissonância, pois que se perdeu

a época e a hora.

Não creio no Homem ante suas próprias mazelas! ...

Ele se acovarda para continuar no marasmo que

já conhece porque o desconhecido lhe apavora.

Sair-se de dentro de si, é um ato de abandono,

mas também de reencontro consigo mesmo, e

isto é para as intrépidas almas.

Temos que estar amarrados como quando

Primitivos como o cachorro à linguiça?!

Prisioneiros de nós mesmos não nos deixamos florir,

nem para a vida, nem para o outro e nem para si.

Nem mesmo para a palavra que liberta que

seja a do não ou do sim.

Não queira agradecer-se por não ter se

empenhado em nada, nem no fio do bigode

e nem no fio da navalha.

A vida ela não apenas deve ser bonita, mas deve

me convencer de que o mundo para uma jornada

só, não basta!? ...

23 de junho de 2016

NANO (Cacau Loureiro)

















Transito entre homens e máquinas...
Confundo-me quem é quem!...
Paro para pensar o que fez com que
nós nos perdêssemos no caminho
da civilidade.
Na ditadura das cidades somos nós
nos transformando em cimento e pedra.
Paralelos de paralelepípedos, somos
bípedes arqueados no nano cérebro em
que nos transmudamos todos os dias.
Encapsulados em nossos egoísmos e vaidades
somos robôs que “não ficamos felizes em
servir”. Mas, servis prosseguimos nesta
sociedade de comandos silenciosos,
ardilosos, incivilizados, corruptos.
Poder e bondade nunca antes num país
como o nosso caminharam tão distantes.
E nos sentimos distintos, equidistantes do
céu. E nos potencializamos cultos por
manejarmos tecnologias tão diferenciadas.
A que jornada nos propomos?!
Que objetivos perseguimos?!
Apenas sobreviver não basta, embora as
balas nos rondem as cabeças e o peito
outrora tão aberto esfacelado está pelas
violências, injustiças, perseguições, e
soluçam por quem partiu tão cedo e
percebemos tão tarde.
Conheça-te, conheça-me, predisposição
que só o amor constrói!

23 de março de 2016

EUCARÍSTICO (Cacau Loureiro)












Elevo meu cálice ao Teu Santo Nome...
Miragem no infinito que me inflama em fé.
Rememoro os tempos idos... e no entanto, tão
presentes em mim ainda hoje nesta humanidade
em desencanto.
Em teu semblante de paz, destituído de ódios,
o perdão é tua face mais bonita.
Em libações o teu poder me enche de esperança
e entusiasmo.
Abro-te meus braços, pois exercito receber-te
todos os dias e para sempre em sangue
santo, em suor bendito, transfigurados
em salvação em teus dolosos tormentos.
Mas a tua vitória estava de todos os tempos
escrita, patenteada pelo Altíssimo.
Somos diante de ti o grão de mostarda,
a árvore infértil buscando tocar em
teu manto de acolhimento e benignidade.
E quando nós tão bárbaros e pequeninos diante da
cruz, tu derramaste sobre nossas cabeças tanto amor.
Removam-se, pois as montanhas...
Removam-se, pois os pecados...
Removam-se, pois as potestades do mal
que habitam toda a face da terra...
Volta-nos Senhor teu semblante misericordioso
porque clamamos o teu perdão ante a desesperança
que habita nossos atuais dias.
Derrama sobre nós tua sabedoria imensa, tua
irmandade que nos fez teus filhos e também
teus irmãos.
Conta-nos suas parábolas para que possamos
renascer do ímpio trilhar de nossos pés, porquanto
não somos nada sem tuas inspirações benditas.
Elevo o meu cálice ao teu santo nome em memória
da tua eucaristia quando da divisão do pão e do vinho
jamais me abandonaste!...

2 de outubro de 2015

VERGÔNTEA (Cacau Loureiro)













Imagens perpassam meus olhos...

O passado como filme habita minhas
lembranças e ágeis e velozes os momentos
transpassam meu espírito, indeléveis...
A paixão fez de nós o que bem quis! ...
Ainda a caneta compulsiva te escreve
em minhas retinas, grava-te em meu
coração na própria poesia que em mim
se fez.
As estrofes que em mim crias e recrias todos
os dias, não tem fim, pois que princípio
és em todas as alvoradas novedias.
Há sol em tua aura, em tua calma que
me acalma fazes luz...
Seguir o coração é ensejar felicidade,
há voos insólitos nos versos que te seguem,
há estrelas eternas nas rimas que me fazes.
Teus ritos e rituais curam-me, apanágio
das benesses ancestrais.
Há benção em tuas mãos, sortilégio em
teus dedos, toca-me, pois, com tua
unção de paz, apazígua meu ânimo.
Em teus lábios a doçura das palavras
lavradas em doces águas, abundantes
rios de amor que sufragaram meu coração.
Mata-me a sede, sacia-me a fome,
reviva-me como rebento novo a se
erigir ao céu! ...


16 de setembro de 2015

ARCANOS (Cacau Loureiro)













Nos trilhos sem fim das grandes
cidades eu idealizo outros lugares,
outros sentimentos... sentidos.
Sombras e túneis, luzes corrediças
como as areias de nosso tempo...
Veloz... espectros do progresso.
As estradas como esfinges nos engolem
apressadas no duelo solitário de nossos
sonhos gigantes.
E, no entanto, nunca chego,
mas também, nunca parto.
O infinito cabe em meu peito
deslumbrante, incógnito, temeroso.
Na corda bamba de dias inúteis sou eu o
equilibrista e o bêbado a abrir um guarda
chuva sob as estrelas.
Estigma dos dias atuais a violência
sobrepuja o encantamento, mas poesia
ainda salva, dita ainda o ritmo das
palavras no dom maior de traduzir
o espírito humano.
E eu me abro ao tempo que escoa
como pó na ampulheta das esquinas,
nas horas fatigadas do trabalho.
Entre meus dedos habita o invisível,
o indizível de minha alma ali traçado
em minhas mãos... e eu profeta do
meu destino não sei decifrar os
seus sinais.