LÍRICOS OLHARES

LÍRICOS OLHARES

PENSAMENTO DO DIA

"O que verdadeiramente somos é aquilo que o impossível cria em nós." (Clarice Lispector)

Seguidores

REFLEXÃO

"Por mais que se mantêm em consideração as circunstâncias do tempo, do lugar, do gênio do povo, dos seus conhecimentos, de suas inclinações, falham os cálculos, desmoronam-se os edifícios, inutilizam-se os trabalhos e só se colhe o conhecimento de que não se acertou e que o coração do homem é um abismo insondável, e um mistério que se não pode entender". (Frei Caneca)




17 de dezembro de 2009

ASSIM SEJA... (Cacau Loureiro)


Difícil escolher o caminho quando estamos
cegos pelas paixões que nos tornam oblíquos
à verdade.
Pessoas há que nos roubam a própria identidade
e julgam-se oprimidas, vitimadas.
Mas, eu não culpo esses alardeadores de
promessas falsas, de discursos efêmeros
em nome da bondade, pois que eu os ouvi,
eu os deixei ficar...
Mas a marcha do progresso é incontinente,
e os escolhidos estão sempre amparados na
Luz da Divina Providência.
Creio piamente que tenho a fronte marcada
para o desenvolvimento espiritual, contudo,
em alguns momentos perdemos o objetivo.
O Grande Pai tem sido abundantemente
misericordioso em minha vida, porque em
cada passo ele me mostrou sempre a sua face.
Desviei meu olhar algumas vezes... e meu coração
travou batalhas vis, e o meu trilhar era de espinhos,
e o meu céu não era azul, e a minha fala
não era minha.
Reneguei de alguma forma todos aqueles que
sempre me deram e ofertaram a compreensão,
e o acolhimento, e estes atos são amor balsâmico.
Deixar a vaidade de outrem habitar em nós é
veneno digerido diariamente, e isto nos mata
e mata aqueles que estão ao nosso derredor,
compartilhar deste cálice amargo nos transfigura,
deturpa nossa real identidade.
Porém, eu tenho o gérmen do criador pulsando em
minhas veias, a visão das águias que rasgam os céus
em busca da liberdade maior, que nem dinheiro, nem
posição e nem o poder desvirtuam ou consomem.
O meu caráter é o cajado que carrego para me
defender dos inimigos, a minha franqueza para
afastar a hipocrisia dos que intentam lograr
com a justiça.
Eu não brinco com a vida e eu não temo a
morte por isto vivo mais e intensamente.
A covardia nunca habitou o meu coração,
embora algumas pessoas consigam nos destituir
de inteligência por algum tempo com suas bárbaras
atitudes dissimuladas.
Os que vivem sem bravura são repugnantes,
assim sendo os encolhidos de espírito nunca se
expandem para a verdadeira vida porque temem
o compromisso com a existência, pois que
o seu intento é passar por ela, não vivê-la.
Mortos vivos a poluírem os lugares por onde
passam omissos; pobres coitados fragilizados
pela estampa de falsa benevolência.
Não culpo ninguém pelas minhas escolhas,
posto que elas me foram escola austera.
Compreendi também que o meu crescimento
muitas das vezes foi forjado na pequenez
de outros. E só os sábios aprendem com
os erros alheios.
Sou tão insignificante neste mundo, e por isto
também dou graças a Deus, talvez se ele me
fizesse maior eu não soubesse usar os dons
que me concedeu, mas eu faço a minha parte.
Descobri já a algum tempo que mágoa sempre
nos faz estacionar na marcha do progresso,
e para elas tenho um tempo muito curto,
também elas temperam-me e preparam-me
para o melhor que há de germinar em mim.
Valores morais hoje são discutidos como plano
de política, pela qual, aliás tenho asco.
As pessoas planejam: vou ser assim para obter
isto, falarei assado para angariar àquilo.
Não vim à vida com etiqueta de valor de mercado,
muito menos dou desconto, minha alma não está
à venda, e por isto sempre paguei caro por minhas
opções...
Hoje volto a ver as coisas com nitidez e lucidez...
Há pessoas que se corrompem por qualquer quinhão
de falso afeto, de fugidios laços, de vantagens
baratas, usurpam o que não lhes pertence pelo puro
prazer de dizer que estão aproveitando a vida.
Entregam-se a relações falsas, medíocres e
superficiais para mostrarem que tem alguém
ao seu lado, mas caminham sós e egoisticamente.
Tenho certeza que viemos ao mundo para sermos
fortaleza, a fleuma não nos leva a lugar algum,
tampouco a passividade. Sei também que não
vivemos num país pacífico e sim num país passivo
e assim marcham as pessoas para a frieza diante
de todo este caos que vivemos nós hoje em dia.
Identidade plena é ser amplo sem ser hipócrita,
é fazer o suficiente que se pode sem ser mesquinho.
Dei minha cara á tapa muitas vezes, e daria e darei
quantas mais forem preciso, pois que não posso me
esconder atrás de máscaras de torpeza e futilidade.
Sou de carne e osso e já fui pregada na cruz para
a minha própria salvação.
Morri e renasci mil vezes porque as sementes
que venho plantando em meu caminho sempre
me dão novas possibilidades de recomeços...
E acreditem, sempre recomeço com mais força,
com mais vontade, com mais capricho, com
mais empenho, com mais amor e com mais perdão.
Assim seja, graças a Deus!...

4 comentários:

bonequinhoda bic disse...

Adorei este seu texto.Cheio de profundidade...estou sem palavras.
Bejos!

Sueli disse...

Eu deixei muitas vezes coisas pelo caminho segui cegamente em uma loucura
que me fez sozinha...
Hoje me sinto mais forte
Porém vazia!!

Sueli disse...

Eu segui cegamente deixando coisas pelo caminho
Isso me fez por vezes sozinha...
Hoje me sinto mais forte...
Porém vazia!!!
Estou te seguindo
Beijos

Anônimo disse...

Amiga querida, boa tarde.
Não consegui postar observação no seu blog, (com login)
mas li "Assim seja" e me senti um pouco mais perplexa.
A cada vez que você escreve lhe tenho mais respeito e admiração.
Seu despertar é um presente para mim.
Desejo harmonia e todos os seus dias.
Um grande beijo daquela que te admira a cada dia mais.
Ha! não esqueça de dar um beijo no marido, ,mas avisa que foi meu.

Denise Azevedo