LÍRICOS OLHARES

LÍRICOS OLHARES

PENSAMENTO DO DIA

"O que verdadeiramente somos é aquilo que o impossível cria em nós." (Clarice Lispector)

Seguidores

REFLEXÃO

"Por mais que se mantêm em consideração as circunstâncias do tempo, do lugar, do gênio do povo, dos seus conhecimentos, de suas inclinações, falham os cálculos, desmoronam-se os edifícios, inutilizam-se os trabalhos e só se colhe o conhecimento de que não se acertou e que o coração do homem é um abismo insondável, e um mistério que se não pode entender". (Frei Caneca)




22 de novembro de 2009

CARÊNCIA DE AMOR (Antônio Roberto)


A dificuldade de amar vem da carência de amor. O ser humano se faz em sua própria existência. “Num mundo cada vez mais frio, é até uma ousadia estimular o amor. Contudo, esse é o único meio de que podemos nos valer para ajudar a derrubar os muros que construímos para nos afastar uns dos outros.” Precisamos trabalhar constantemente o medo que temos de correr riscos.
Para amar é necessário que tenhamos consciência do nosso medo de perder. A saída para as dificuldades no relacionamento são doses de compreensão, tolerância e humildade. A comunicação é imprescindível para resolver as pequenas diferenças e evitar ressentimentos. Tentar mudar o outro não resolve. A pessoa não muda somente por que a outra quer. O ser humano muda e evolui quando ele deseja. A imposição e a cobrança trazem desgaste para o relacionamento.
Trabalhe sua autoestima. Precisamos antes de tudo confiar em nós mesmos para superar os dias difíceis. Uma personalidade sempre insegura atrairá relacionamentos frágeis ou dominadores. É preciso cuidar de si mesmo, sempre. Não se anular para agradar o outro. Quando o tempo passar, você não saberá mais resgatar sua individualidade. A insegurança emocional responde pelo medo de amar.
O medo de amar é muito maior do que parece no organismo social. As criaturas, vitimadas pelas ambições imediatistas, negociam o prazer que denominam como amor ou impõem-se ser amadas por meio de exigências que sempre resultam em fracasso. Neste caso, o amor não passa de um recurso para satisfações imediatas, não percebendo que aquele outro que o elogia e o bajula, demonstrando-lhe afetividade, é o que também se utiliza da ocasião para se firmar aos que denominam de um lugar ao sol, no qual pretendem brilhar com a claridade alheia.
Na dificuldade de encarar a vida, é sempre fácil responsabilizar os outros. Na dificuldade de se relacionar com os outros, é sempre fácil olhar os defeitos. Na dificuldade de amar o próximo, é sempre fácil escolher a indiferença. “Outro aspecto importante nas relações é a reciprocidade e foi ela que estruturou a sociedade, portanto é algo fundamental para o homem”.
Na atual realidade, poucas pessoas dão valor ao ato de retribuir e por incrível que pareça também têm dificuldade de receber, mas é preciso aprender que receber exige humildade. Não posso deixar de pontuar que estas pessoas que têm dificuldade de amar provavelmente foram pouco amadas ou assim se sentiram. Quem não recebeu não pode dar, pois ninguém dá o que não tem. Nossas relações afetivas são o resultado dos afetos que recebemos. Por fim, a flexibilidade é também importante para melhorar a competição nas relações. O amor se dobra para não se romper. Quem tem dificuldade para amar é quem mais precisa de amor!
(Parte do texto de Antônio Roberto - Jornal Aqui – BH, 28/04/2009).

Um comentário:

Andrea Mari disse...

que lindo este texto! é incrivel como andamos em uma etrna roda gigante de sentimentos!!!temos que dar sempre mais e aprender constantemente...bjosssss