LÍRICOS OLHARES

LÍRICOS OLHARES

PENSAMENTO DO DIA

"O que verdadeiramente somos é aquilo que o impossível cria em nós." (Clarice Lispector)

Seguidores

REFLEXÃO

"Por mais que se mantêm em consideração as circunstâncias do tempo, do lugar, do gênio do povo, dos seus conhecimentos, de suas inclinações, falham os cálculos, desmoronam-se os edifícios, inutilizam-se os trabalhos e só se colhe o conhecimento de que não se acertou e que o coração do homem é um abismo insondável, e um mistério que se não pode entender". (Frei Caneca)




15 de outubro de 2009

TRANSVERBERADA (Cacau Loureiro)


Naveguei por muitos mares nesta vida, tu
não sabes sequer sobre um palmo da minha
rota, caminhos tortuosos, bússola incerta,
desafios, tempestades...
Por minhas andanças ultramarinas, teci
sonhos, Antárctida, continentes perdidos
em mim.
Não sou comandante em minha vida,
comandada sou pelo destino, e este a
ninguém pertence.
Em minha mente apenas, a aurora boreal,
a minha frente apenas, o imenso mar, e
aos bordos fui pelos caminhos que escolhi.
Eu sou assim: nau perdida no azulão dos
oceanos, nau fundida na escuridão do céu.
O mar morto é o sal da minha vida, o mastro
do barco a base do meu espírito.
Em meus sonhos transoceânicos busco a
constelação que me guiará à própria sorte,
não temo mais a morte, a deviação da meta,
apenas estou aberta à ondulação das vagas,
à ferocidade das ondas.
Este percurso que traço todos os dias nos
rumos meus, fazem-me conhecer o próprio
inferno, voar dentre o próprio céu.
Brava e valente sigo adiante, mas, naufrago
todos os dias. Singro o meu peito tão mal
amado, dilacerado pelos bancos de corais...
Já não navego mais, apenas, deixo-me levar...
Quantos sóis, quantos nós, quantos céus,
quantos mares!!
Sigo sem rumo, instrumentos, faleço e careço
sem argumentos.
Deixo-me ao mar, silenciosamente transviada,
inelutavelmente transverberada pela tormenta
dos meus sentimentos.

Nenhum comentário: