LÍRICOS OLHARES

LÍRICOS OLHARES

PENSAMENTO DO DIA

"O que verdadeiramente somos é aquilo que o impossível cria em nós." (Clarice Lispector)

Seguidores

REFLEXÃO

"Por mais que se mantêm em consideração as circunstâncias do tempo, do lugar, do gênio do povo, dos seus conhecimentos, de suas inclinações, falham os cálculos, desmoronam-se os edifícios, inutilizam-se os trabalhos e só se colhe o conhecimento de que não se acertou e que o coração do homem é um abismo insondável, e um mistério que se não pode entender". (Frei Caneca)




28 de outubro de 2009

ÁGUAS-MORTAS (Cacau Loureiro)


Em cada passo, uma esquina,
o mundo passa à minha volta,
minha revolta é não querer
parar. Pairando sobre o
firmamento estão meus
verdadeiros caminhos; não
os toco, pois sempre me precipito
no caos da minha memória. É o
passado, vácuo do meu corpo.
Quão grandes são meus sonhos!...
Minha alma liberta só alimenta
os anseios, os quais não posso
ocultar. Pelos instantes padeço
porque meu preço é a vida que
levo, e a verdade que trago, só
desmistifica o que já me é
difícil acreditar.
Em cada passo, o céu mais longe
fito, os sonhos mais altos voam.
Contudo, ponho os pés no chão
e limpo a lama da alma.
Em cada palmo de terra vou
ao encontro do infinito, o
limite do mar...
Paradoxo fatal é o mundo, a vida!...
Mergulho fundo, peito aberto,
difusão água é céu.
Sou átomo vibrante de pequeníssima
dimensão.
A água, o céu, o sol, o sal, a terra
fogem-me das mãos.
Desperto por fim... então... entre
meus dedos a caneta repousa.
Papeis na mesa, sobre a cama,
no chão, analogamente distintos
uns sobre os outros, como tela e
pincel, como lençol e dossel.
A luz da janela cintila no escuro do meu
quarto, a brisa esvoaça os esboços dos
meus versos. São meus sonhos, minha
vida. Tão meninos, recordo-me menina...
...águas-vivas,
folhas secas,
águas-mortas,
preamar no mar da vida.

Nenhum comentário: