LÍRICOS OLHARES

LÍRICOS OLHARES

PENSAMENTO DO DIA

"O que verdadeiramente somos é aquilo que o impossível cria em nós." (Clarice Lispector)

Seguidores

REFLEXÃO

"Por mais que se mantêm em consideração as circunstâncias do tempo, do lugar, do gênio do povo, dos seus conhecimentos, de suas inclinações, falham os cálculos, desmoronam-se os edifícios, inutilizam-se os trabalhos e só se colhe o conhecimento de que não se acertou e que o coração do homem é um abismo insondável, e um mistério que se não pode entender". (Frei Caneca)




4 de setembro de 2009

CONFIANÇA

TEXTO DE JORGE PAULO
(http://jorgepaulo.blogs.sapo.pt/)

A vida encarrega-se de nos tornar desconfiados. Mesmo os que não têm propensão para tal estado de espírito (como era o meu caso), com o passar dos anos e com as vicissitudes a que ficam sujeitos (as pequenas ou grandes facadas, os pequenos ou grandes golpes desferidos pelas costas, etc.) acabam por soçobrar àquilo que se torna uma simples evidência: confiar nos outros pode ser perigoso.
Bem sei que não é possível viver sem um mínimo de confiança nas pessoas. Até quando vamos a um café e tomamos uma bebida temos de acreditar que o empregado nos não serve veneno. Mas essa é outra questão. Trata-se daquilo que poderíamos chamar o nível I da confiança; sem este nível, a vida tornar-se-ia insuportável. Vislumbraríamos perigo em tudo e em todos, motivo pelo qual não seríamos capazes de agir. Reduzidos a observadores perigosos (sim, nós seríamos perigosos) do desenrolar da vida, ninguém teria a paciência necessária para nos suportar. Nesta falta de confiança básica se baseia a chamada teoria da conspiração que consiste em acreditar que uma desgraça se vai abater sobre nós, apesar de não haver qualquer indício sério de que tal possa vir a suceder.
Mas a confiança a que me referia é a que corresponde ao nível II. Trata-se de acreditar que as pessoas são justas e honestas, que nada fazem para nos prejudicar, que podemos ser francos e abertos com elas, mesmo que as não conheçamos bem, que não devemos negar-lhes ajuda quando para tal nos solicitam, etc. É certo que ainda penso ser possível atuar com base neste nível de confiança. Mas já não creio que o universo de pessoas em quem podemos confiar seja tão alargado como acreditava há poucos anos atrás. A vida encarregou-se de me roubar aquela candura que vê luz mesmo no meio da escuridão. E quando não aprendemos através de coisa miúda, acabamos por aprender à custa de uma carga bem pesada!
Apesar de tudo isto, vale a pena abandonar-nos aos outros de forma confiada; a questão está em saber escolhê-los. Antes, bastava que fossem pessoas ― isso para mim era já o bastante ―, hoje é preciso que me provem que o são inteiramente.

Nenhum comentário: