LÍRICOS OLHARES

LÍRICOS OLHARES

PENSAMENTO DO DIA

"À força de tanto ler e imaginar, fui me distanciando da realidade ao ponto de já não poder distinguir em que dimensão vivo" (Dom Quixote)

Seguidores

REFLEXÃO

“Seja qual for o país, capitalista ou socialista, o homem foi em todo o lado arrasado pela tecnologia, alienado do seu próprio trabalho, feito prisioneiro, forçado a um estado de estupidez.” (Simone de Beauvoir)





10 de julho de 2009

COMO TE PODEREI DIZER?


Queria dizer-te muitas coisas...
Coisas lindas, coisas belas...
Por hora estou na espera,
estou na espreita por hora.
Não te digo que sou musa,
que sou sereia, que sou fera.
Digo-te, apenas, que estou refeita.
Procuro em ti uma estreita brecha,
uma pequena fresta por onde eu
possa te invadir.
Deixar-me-à ir?...
Neste mundo sou vagante, não
nasci para retirante, mas sou
nômade de mim!
Os meus versos têm os sons
do meu próprio coração.
Portanto, dê-me tuas mãos, simples,
firmes, calejadas, finas, nobres,
sofisticadas, da tua arte toda unção.
Viajemos, pois, nesta emoção.
Sejamos luz, clarão, centelha, então,
até diria Bandeira:
“...paixão puríssima ou devassa...”
“...amor_chama, e, depois, fumaça.”
“Como te poderei dizer?...”