LÍRICOS OLHARES

LÍRICOS OLHARES

PENSAMENTO DO DIA

"O que verdadeiramente somos é aquilo que o impossível cria em nós." (Clarice Lispector)

Seguidores

REFLEXÃO

"Por mais que se mantêm em consideração as circunstâncias do tempo, do lugar, do gênio do povo, dos seus conhecimentos, de suas inclinações, falham os cálculos, desmoronam-se os edifícios, inutilizam-se os trabalhos e só se colhe o conhecimento de que não se acertou e que o coração do homem é um abismo insondável, e um mistério que se não pode entender". (Frei Caneca)




7 de fevereiro de 2010

SALMO DÉCIMO (Cacau Loureiro)


Apascenta o meu coração oh, Pai!
Pois que ante a visão do homem tolo eu reprimo-me
em aflições, em angústias.
Eu que plantei a justiça em todo o meu caminhar,
sinto-me injustiçado. Arranca de mim esta erva que
não traz a cura, que não me limpa o interior ultrajado.
Em modéstia oferto-te o meu coração em bandeja
de resplandecente prata, mas, dá-me oh Deus o
ouro da paz que não tem preço.
Lava minha alma nas águas do Jordão, unge minha
cabeça pelo teu espírito santo e faça-me um novo ser.
Tranquiliza o meu íntimo oh Eterno! Pois que ante
a visão dos que me magoaram eu reacendi as minhas
torpezas. Eu que fui semeador do perdão sinto-me
rancoroso; estirpe de mim estes ramos de árvore
Infértil das futilidades.
Pai mostra-me uma vez mais a tua face para que eu
fortaleça-me e busque a tua palavra com sabedoria.
Deus de bondade e misericórdia toque o meu cerne
para os bons sentimentos, porque a fagulha da
incompreensão ameaça atear o fogo das paixões
terrenas em minha alma sedenta do reparo.
Que a tua justiça venha sempre antes da minha,
que eu saiba esperar por tua balança e por tua espada.
Que tu faças do teu tempo o meu tempo, e, que eu
cultive a paciência e deposite em teu regaço o
meu sincero desejo de libertação.
Deus de mansuetude e também de austeridade
ponha os meus inimigos ocultos perante o teu altar
para que possas doutrinar suas más inclinações,
trazei-lhes arrependimento, mostra-lhes as tuas
vastas terras de benignas sementes, a tua fresca
relva onde deitas as cabeças dos teus filhos justos.
Limpe minhas mãos com o teu bafejo divino, mas
não lave as minhas responsabilidades para com o
meu próximo.
Oh, Eterno! O cavaleiro das sombras cavalga nas
redondezas, plante o teu cajado à minha porta,
Livra-me, guarda-me e salva-me do terror da noite,
desenreda os meus pensamentos que faz oprimido
o meu bojo. Afasta de mim este cálice no qual eu
não quero mais provar desta bebida que me embriaga
e cega-me os olhos.
Permita-me oh, Altíssimo, reaver as alegrias de
quando usufruía da tua presença constante.
Aparta de mim de uma vez por todas aqueles que
me renegaram, pois que de mim não são mais dignos.
Fazei-me forte diante das provações, mostre-me Pai
Maior que assim como o sol que tu criaste, eu posso
nascer novo todos os dias diante de Ti.

3 comentários:

Azrael, o Tolo de Todos disse...

Belo espaço, palavras que alentam.
Parabéns, pela essência. É lindo saber dos que possuem fé.

Um cordial beijo.

meus instantes e momentos disse...

passando para te desejar uma semana feliz..
Maurizio

ValériaC disse...

Querida...como é tão bom e necessário estarmos nos braços de Deus... esta sintonia nos faz bem... nos traz Paz...porém, para que isto ocorra precisamos despertar Deus que habita o nosso interior, pois somente assim nos transformaremos... viveremos essa união verdadeiramente e colheremos todos os seus amorosos benefícios. Beijos amiga!