LÍRICOS OLHARES

LÍRICOS OLHARES

PENSAMENTO DO DIA

"O que verdadeiramente somos é aquilo que o impossível cria em nós." (Clarice Lispector)

Seguidores

REFLEXÃO

"Por mais que se mantêm em consideração as circunstâncias do tempo, do lugar, do gênio do povo, dos seus conhecimentos, de suas inclinações, falham os cálculos, desmoronam-se os edifícios, inutilizam-se os trabalhos e só se colhe o conhecimento de que não se acertou e que o coração do homem é um abismo insondável, e um mistério que se não pode entender". (Frei Caneca)




1 de fevereiro de 2010

O QUE OS OUTROS PENSAM (Sílvia Campos)


A quem agradar? E, por que agradar?
É correto entregar aos alheios a nossa felicidade?
É correto entregar aos alheios a nossa vontade?
Será que o “EU” deve ser submetido a “eles”?
A opinião alheia, que quer ser tirana e maldosa, não é “nós, mas” Eles “perversos e conscientes; é crime hediondo porque no ato de interceptar realizações, atinge a alma; não dá chance de defesa.
Submeter-se ao que os outros pensam pode ser a diferença entre ser feliz e infeliz; entre ter sucesso ou ser fracassado, entre explodir de felicidade na verdade bela do querer pessoal e curvar-se “”a vontade tirana de quem nem sabe quem você é, não quer saber e tão pouco se preocupa com você.
O outro merece de você respeito não merece ter poder sobre sua vida; o outro merece de você atenção humana, mas não merece de você postura indecisa e medrosa, impedindo-lhe de ser livre e senhor dos seus sonhos.
Respeitar os limites do “Eu” no espaço do “Nós” não é a mesma coisa que deixar entranhar na sua alma a vontade soberana do outro.
A vontade do outro pode querer que tudo dê errado em sua vida para satisfazer o ego despreparado, infeliz, mergulhado na acidez da inveja, do ódio e da maldade; a vontade do outro pode está em prontidão exemplar para alvejar mortalmente sonhos, vontades, desejos e extravagâncias gloriosas do entusiasmo pela vida. Resistir a esse componente atroz, aceito pela sociedade dos hipócritas é elevar a existência a patamares de felicidade exuberantes; é bater recordes olímpicos de alegrias, é subir pódios de realizações: é ter coragem de transformar corajosamente em realidade, aquilo que alheios sabiam ser bom para você e que impiedosamente se esforçam para impedir que aconteça.
Subestimar a capacidade destruidora do outro é ter uma visão ingênua do poder de malícia inserido na arte de intrometer-se para destruir.
É preciso ter percepção clara desse jogo de sedução e de maquinação afiados que se esgueiram, penetram e caminham a passos largos e confiantes, no firme propósito de fragilizar vontades.
A arte de conhecer o “outro destruidor” revela-se na capacidade de perceber no “elogio glorioso” uma forma de manter a vítima inerte e desarmada ou naquele alerta que quer parecer uma recomendação ou conselho cuidadosos para, assim, aniquilar o entusiasmo e o vigor manifestados.
Há várias classificações do “outro destruidor”; os níveis de performance variam do grosseiro, mal-educado e inconveniente, até o requintado, eloqüente, aparência de caridoso e altruísta, com alta preparação para infundir opiniões e desestruturar realizações; do ato grosseiro ao ato requintado surgem farpas afiadas, ambas atiradas com força e capacidade para atingir o alvo: o centro da sua vida ou a periferia das suas vontades que se revelam em inúmeros e valiosos pequenos sonhos que irão se somar para gerar felicidade.
Cada um de nós deve ter o claro conhecimento de si mesmo: do que quer construir, do que quer terminar, do que quer começar ou recomeçar. Esse discernimento do conteúdo e da dimensão da natureza individual, essa clarificação de ideais e de missão de vida fortalecem a nossa capacidade de nos tornarmos senhores de nossos destinos. Somente dessa forma, é possível neutralizar uma postura de marionete ou de joguete da vontade traiçoeira do outro. Não estou a dizer que devemos nos “prevenir” ou nos “armar” contra os outros; nem que devemos deixar de ouvir argumentos sábios, mas sugerindo que nos fortaleçamos enquanto pessoa que quer e vai à luta, que sonha e realiza.
Sábia decisão, permitir a você escolher;
Frágil compromisso consigo mesmo, permitir que escolham por você.
Que história você quer construir? A sua ou a que os outros querem para você?
Cada pessoa deve ser protagonista da sua vida. É a diferença entre ter uma história de vida autêntica, com altos e baixos ou promover uma grande encenação existencial.
Fracassos e conquistas são produtos de uma vida humana.
Viva! Lapide a sua existência pelos ideais de um compromisso com a felicidade, sem se preocupar que ela seja de um dia, um mês, uma vida.

*Sílvia Campos é Mestre em Administração, Especialista em Gestão Pública, Professora Universitária, Facilitadora, Consultora e Assistente Social

Um comentário:

ValériaC disse...

Cacau querida, excelente texto por você escolhido... um alerta, não no sentido defensivo, mas sim de que sempre devemos nos lembrar que somos únicos, livres e responsáveis por toda e qualquer escolha em nossas vidas. Sempre penso que errar por decisões que nós tivemos é válido como aprendizagem de vida...triste é se deixar levar pelo arbítrio que não seja o nosso próprio. É claro que no convívio podemos acolher alguns conselhos sábios, mas a decisão final deve ser sempre nossa, até porque nós é quem colheremos os frutos de nossas decisões. Beijos amiga...