LÍRICOS OLHARES

LÍRICOS OLHARES

PENSAMENTO DO DIA

"À força de tanto ler e imaginar, fui me distanciando da realidade ao ponto de já não poder distinguir em que dimensão vivo" (Dom Quixote)

Seguidores

REFLEXÃO

“Seja qual for o país, capitalista ou socialista, o homem foi em todo o lado arrasado pela tecnologia, alienado do seu próprio trabalho, feito prisioneiro, forçado a um estado de estupidez.” (Simone de Beauvoir)





24 de junho de 2011

GALANTE (Cacau Loureiro)

Consinta-me traçar em tua castidade
os meus caminhos de rochas, mas
também de mil sorrisos, pois contigo, em
sublime graça movo-me em contentamento,
ando em felicidade.
Permita-me em total ternura e desejos,
tocar tuas sinuosidades, porque nas vias
por onde sigo, as da honestidade, eu brinco
com pueris vaidades.
Conceda-me meu bem amado, viajar nas
tuas rotas para chegar além de mim, para
estar aquém do que mereces...
Mas, aceda-me ainda, inspirar-me em tuas
dádivas, benesses, permanecer em lavra
e cultivo de afetos, em palavras e gestos de
afagos, em sincera forma de amar-te.
Possibilite-me em corpo, alma e espírito,
em signos, sonhos e verbos, tecer este simples
rimalho de meiguice para te alcançar em ardor.
Em teu doce amplexo, querido faculte-me,
refazer-me todos os dias em teu distinto amor!...

Um comentário:

evandro mezadri disse...

Muito belo, Cacau!
Delicada, uma bela homenagem ao Fagner.
Grande abraço e sucesso!