LÍRICOS OLHARES

LÍRICOS OLHARES

PENSAMENTO DO DIA

"O que verdadeiramente somos é aquilo que o impossível cria em nós." (Clarice Lispector)

Seguidores

REFLEXÃO

"Por mais que se mantêm em consideração as circunstâncias do tempo, do lugar, do gênio do povo, dos seus conhecimentos, de suas inclinações, falham os cálculos, desmoronam-se os edifícios, inutilizam-se os trabalhos e só se colhe o conhecimento de que não se acertou e que o coração do homem é um abismo insondável, e um mistério que se não pode entender". (Frei Caneca)




29 de julho de 2010

ALBATROZ (Cacau Loureiro)


Tentei achar palavras, construí-las em
meu mundo destrutivo, desvalido.
As implosões que me consomem a
alma, tornam-me explosiva, impulsiva,
temperamental...
Neste mundo onde o edificar seria o
natural.
Mas, a intolerância queda os seres,

inverte seus valores, prega a violência,
abjura a decência, origina horrores.
Observo o mundo em sua correria,
aí está a origem de toda a minha
rebeldia.
Movo em meus versos a terra, o céu
que habita os seres, o mundo que
mora em nós, o meu próprio coração.
Queria... em palavras construtivas,
compor uma canção, falar de alegrias,
acalmar os prantos do submundo,
adoçar tantas bocas já amargadas,
libertar tantos sentimentos tolhidos...
Abraço o tempo, rolo pelo espaço,
quero ter noção de quantos eu abraço.
Globos longínquos nesta imensidão
do universo latejam em meu pulso,
esclarecem o meu espírito tão obscuro.
Busco a aurora dos novos tempos, que
trará a luz da libertação interior, da
doação sem limites, do amor. Não
tenho medo nem receios em me expor.
Toco os meus centros vitais, busco o
equilíbrio que jamais tive... jamais.
Deixei um dia que roubassem a minha
paz, mas, na minha mente, ainda a meta,
firme e forte, não me deixa, não se desfaz.
Podem pensar que fui vencida, sub-rogada,
subjugada... mas, ainda está liberto o meu
espírito, que vibra, está vivo, latente, vital...
que o sinto tão rijo, tão forte que transpasso
os limites siderais.
Não mais cairei em negros abismos, pois
que hoje a minha alma se ergue e prossegue,
sublime, celestial...
Nos caminhos da vida, nos rumos dos mares,
não mais verei Leviatã, porque a força que me
move agora, é corajosa,é sã.
Deixarei o passado nas cinzas, onde a brisa o
levará ao sol, onde o orvalho o beberá com a lua.
Não sinto mais amargor em minha língua, tampouco,
azedume em meu peito, sou e estou refeita,

pronta para a luta.
Não edificarei mais sonhos vãos...
Que venham as flechas, que me sangrem os
braços, que me calem a voz, que me ofertem
a dor... pois, sou aço, sou fogo, sou laço forte,
vou rumo ao sul buscando o amor.

3 comentários:

AC disse...

A convicção do seu canto é tocante!

Beijo

Brown Eyes disse...

Ainda não tinha tido oportunidade de te vir visitar, hoje chegou. O nosso mal é a correria em que vivemos que acaba por não nos deixar viver, por não nos deixar gozar o que de bom temos. Beijinhos

ValériaC disse...

Querida, li o anterior também...e este, mas vou comentar aqui...
Você mostra a crueza da vida e da realidade, mas ao mesmo tempo, garra, força, discernimento...coragem... Profundos...e marcantes os seus versos...
Beijinhos...
Valéria