LÍRICOS OLHARES

LÍRICOS OLHARES

PENSAMENTO DO DIA

"O que verdadeiramente somos é aquilo que o impossível cria em nós." (Clarice Lispector)

Seguidores

REFLEXÃO

"Por mais que se mantêm em consideração as circunstâncias do tempo, do lugar, do gênio do povo, dos seus conhecimentos, de suas inclinações, falham os cálculos, desmoronam-se os edifícios, inutilizam-se os trabalhos e só se colhe o conhecimento de que não se acertou e que o coração do homem é um abismo insondável, e um mistério que se não pode entender". (Frei Caneca)




14 de junho de 2013

A NOTÍCIA ESTÁ NAS MÃOS DOS QUE GOVERNAM (Cacau Loureiro)


"...Com um discurso risível de que as manifestações atrapalham a vida dos cidadãos e trabalhadores que querem voltar para casa, a mídia tenta assim respaldar eventuais agressões da polícia. Já as baixas envolvendo jornalistas são tratadas com distinção. Como se jornalista em zona de guerra fosse uma entidade maior e mais importante do que mero trabalhador cumprindo seu ofício. Não quer se machucar pode se tornar padre, médico, engenheiro ou chefe de reportagem. O final da piada é que, todo mundo sabe, o que atrapalha o trabalhador é a mordida que o empresário dá no seu bolso a título de cobrar a passagem. Isso sim é imposto alto e pago a vista..." http://www.conexaojornalismo.com.br/colunas/transportes/onibus/jornalismo-tendencioso-e-a-hostilidade-contra-jornalistas-42-11732
De fato o povo tem que tomar em suas mãos a democracia tanto aclamada pela politicagem brasileira. A ditadura acabou mesmo?? A notícia está nas mãos dos que governam!! Então que busquemos cada um de nós fazer uma reflexão do que temos angariado, melhorado, progredido em níveis de educação, saúde, transporte, trabalho e outras tantas coisas que um governo deve proporcionar aos cidadãos que laboram feito cachorros/escravos e pagam seus impostos. Quando pleiteamos, reivindicamos somos taxados de baderneiros, tidos como vândalos. Somos uma população de 80% de pessoas que labutam diariamente para ganhar seu pão de cada dia na forma mais autêntica de honestidade, coisa que não constatamos no Congresso, na Câmara e outros aparelhos e aparatos governamentais que nos regem feitos carneirinhos mansos e domados aos seus bel-prazeres. Não faço aqui a apologia da violência, apenas que sejamos corajosos para colocar nosso bloco na rua e mudar este estado de coisas que há muito temos que engolir. Que possamos utilizar as redes sociais de uma forma eficiente e produtiva, mostremos aos nossos governantes que embora tenhamos os olhos, bocas e ouvidos tapados pela máquina ainda temos cérebro para pensar de uma forma diferenciada e que achamos e faremos o possível para vivermos com dignidade.

12 de junho de 2013

VIÇO (Cacau Loureiro)


Abrando o meu verbo veemente para
repousar minha fronte em teu peito forte...
Nada há neste mundo que me faça te
perder pelo caminho porque tu és a trilha
mais segura a seguir...e o meu espírito
acompanha-te incontinente!...
O tempo em nós não mais é marcado
pelas horas, a pulsação é o nosso ritmo,
a pulsão é a nossa fome, porquanto meu
querido, o céu desce e eleva-se no horizonte
todos os dias para te dizer do meu amor
imensurável.
És vigoroso como as ondas que batem nas
pedras intentando-lhes as fendas em que
possas transpassar com tua inquebrantável fé.
Eu grasso por tua graça estonteante,
encantada por ter tido este encontro.
E bebo em ti toda ternura que só tu sabes
dar, e eu teço todos os dias o meu afeto
porque só tu me ensinaste o afeiçoar.
E eu desperto feliz ao vislumbrar as tuas
cores e flores, arco-íris sem fim, primaveras...
Prata e carmim é deitar contigo em teu dossel de
amores... morrer e nascer, e sobretudo é renascer
sempre em ti e contigo para estar comigo.
 

3 de junho de 2013

TRANSMUTAR (Cacau Loureiro)

Há tempos que um sonho adormece

e se repete como uma prece que vai se

ritualizando como um mantra.

Mas, não há o absoluto para aquele

que paira no eterno, e no entretanto

a sua dimensão se delimita em minhas

mãos, pálpebras e passos apressados.

E eu quero seguir... fluindo a vida que

se principia e se encerra a cada gota

de orvalho que cai, a cada letra que floresce

e pauta toda a caminhada.

Quando abri os olhos e enxerguei as flores,

o meu espírito foi tocado pelo divino e a

poesia correu em minhas veias, como um

fluido consubstanciado pelas intempéries da

alma que vagueia só.

E o meu tempo corre no seu contratempo

em desarmonia de ventos e tempestades.

Pois que eu testemunhei o tempo fundir-se

no fogo das paixões e renascer mais corajoso,

vi a fênix da vida despedir-se no ocaso subdividindo

um para que dois sobrevivessem.

Respiro nesta simbiose de pranto e alegria

num lapso estacionado em fantasia e sombra

para que eu possa amanhecer mais forte!...