LÍRICOS OLHARES

LÍRICOS OLHARES

PENSAMENTO DO DIA

"À força de tanto ler e imaginar, fui me distanciando da realidade ao ponto de já não poder distinguir em que dimensão vivo" (Dom Quixote)

Seguidores

REFLEXÃO

“Seja qual for o país, capitalista ou socialista, o homem foi em todo o lado arrasado pela tecnologia, alienado do seu próprio trabalho, feito prisioneiro, forçado a um estado de estupidez.” (Simone de Beauvoir)





30 de junho de 2016

BASTA!? (Cacau Loureiro)


 
Nem sempre o que aspiramos na vida

quando aparece a nossa frente, e não é

a melhor hora para decidir, nós nos

defrontamos... Por que nós não topamos

a parada?!

Pois que decidir o tanto, o quanto, o tudo que

queremos (na hora que diria, seria a errada)

é "feito" para as têmperas corajosas.

Nossos conceitos tão arraigados, esfacelam-se

ante as incertezas, e nós melindrados pelas

dúvidas recuamos, queremos a dilação do

tempo que não espera; e o bonito, a poesia que

deveria ser consonância para a transformação

do nós, vira dissonância, pois que se perdeu

a época e a hora.

Não creio no Homem ante suas próprias mazelas! ...

Ele se acovarda para continuar no marasmo que

já conhece porque o desconhecido lhe apavora.

Sair-se de dentro de si, é um ato de abandono,

mas também de reencontro consigo mesmo, e

isto é para as intrépidas almas.

Temos que estar amarrados como quando

Primitivos como o cachorro à linguiça?!

Prisioneiros de nós mesmos não nos deixamos florir,

nem para a vida, nem para o outro e nem para si.

Nem mesmo para a palavra que liberta que

seja a do não ou do sim.

Não queira agradecer-se por não ter se

empenhado em nada, nem no fio do bigode

e nem no fio da navalha.

A vida ela não apenas deve ser bonita, mas deve

me convencer de que o mundo para uma jornada

só, não basta!? ...

23 de junho de 2016

NANO (Cacau Loureiro)

















Transito entre homens e máquinas...
Confundo-me quem é quem!...
Paro para pensar o que fez com que
nós nos perdêssemos no caminho
da civilidade.
Na ditadura das cidades somos nós
nos transformando em cimento e pedra.
Paralelos de paralelepípedos, somos
bípedes arqueados no nano cérebro em
que nos transmudamos todos os dias.
Encapsulados em nossos egoísmos e vaidades
somos robôs que “não ficamos felizes em
servir”. Mas, servis prosseguimos nesta
sociedade de comandos silenciosos,
ardilosos, incivilizados, corruptos.
Poder e bondade nunca antes num país
como o nosso caminharam tão distantes.
E nos sentimos distintos, equidistantes do
céu. E nos potencializamos cultos por
manejarmos tecnologias tão diferenciadas.
A que jornada nos propomos?!
Que objetivos perseguimos?!
Apenas sobreviver não basta, embora as
balas nos rondem as cabeças e o peito
outrora tão aberto esfacelado está pelas
violências, injustiças, perseguições, e
soluçam por quem partiu tão cedo e
percebemos tão tarde.
Conheça-te, conheça-me, predisposição
que só o amor constrói!