LÍRICOS OLHARES

LÍRICOS OLHARES

PENSAMENTO DO DIA

"O que verdadeiramente somos é aquilo que o impossível cria em nós." (Clarice Lispector)

Seguidores

REFLEXÃO

"Por mais que se mantêm em consideração as circunstâncias do tempo, do lugar, do gênio do povo, dos seus conhecimentos, de suas inclinações, falham os cálculos, desmoronam-se os edifícios, inutilizam-se os trabalhos e só se colhe o conhecimento de que não se acertou e que o coração do homem é um abismo insondável, e um mistério que se não pode entender". (Frei Caneca)




31 de janeiro de 2013

MUNDO ANTIGO (Cacau Loureiro)



Deixemos a poeira das cisões baixar,

o que não tem antídoto também não

tem remédio, remediado estará.

No rumo das palavras que perderam

o sentido dorme o verbo sem raiz, o

discurso radical não diz sim, não diz não.

Vorazes, contendamos com espíritos

semimortos; sangrentas espadas na

dimensão dos tempos atuais, num

cansaço que vai tomando a alma aos goles.

Na estação das armas perdemos a inocência...

e a paz que não vem!...

Há um futuro estacionado no presente,

ares que não purificam, paredes levantadas,

muros que dividem iguais, as grades que não

corrigem ninguém!

Não há verdade nos sons que adormecem

na garganta, posto que toda a verdade

malograda tem dois gumes, ou ela mata ou

ela fere.

Nos dias de hoje onde falta coragem, a

indignação também é um ato de amor!... 

29 de janeiro de 2013

VOANTE (Cacau Loureiro)



Os caminhos que escolhi não

são os mais dolorosos, contudo,

também não os mais fáceis.

Rego minha sensibilidade em

profusas lágrimas porque a

felicidade precisa ser plena, real.
Permaneçamos no caminho, pois

o rumo dos que se reconhecem

não fica falto de sol.

Há que existir melodia no que

passamos ao que conosco

caminha... sentir a proteção

dos que carregam a clava forte

da verdade e da coragem porque

amar é mais que encontro, também

é despedida.
Enigmas são para os profetas,

santidade é para os utópicos,

amor para os humanos, assim disse

O Grande Mestre.

Eu quero a humanidade que liberta

onde aquele que amo me dê asas,

mas que também saiba voar...

22 de janeiro de 2013

ESTIO (Cacau Loureiro)

Não para o mundo,
a chuva não para...
Tenho esperado o estio,
pelo verde das colheitas.
O meu caminho segue como
as estações dos homens,
inundadas pelas estações
do tempo.
Lágrimas a cultivar novas manhãs,
sonhos a contar estrelas!...
A flor na lapela finca em meu
peito o espinho... a rosa que
te dou... a mais bela.
Amar, amor...
As águas que não cessam,
a sede que não passa.
Passante sou, quisera eu
não mais ser...
Ser inteira e livre, ser cônscia
e leve como pluma no universo
que conspira na revoada da vida.
Um momento apenas no relógio do
tempo que não para... ser feliz!... 

16 de janeiro de 2013

À MERCÊ (Cacau Loureiro)


 
Caminho de escarpas...

Por acreditar nos homens grassaram

em pedras as ervas daninhas.

Não posso crer que aqui terminam

os caminhos da luz!

Pela paz que busquei através dos atos

de minhas mãos, pela guerra que fiz ao

me direcionar para bem, não podem cessar

por aqui os caminhos...

O que fiz além de acreditar?!

Pergunto-me o que fazer diante das

montanhas que não movo, da chuva que

não vem molhar os meus desertos, do sol

que não vem iluminar minhas sombras?...

Onde estão os profetas deste mundo

caduco, as almas destes homens loucos?!

A insurreição dos meninos simples

quando advirá?!

Estou à mercê do Mestre da humildade porque

sei que “Ele” não veio para chamar os justos...